Em reunião, Mercosul e Canadá consideram retomar negociações de acordo comercial

18 April 2017

A chancelaria argentina realizou uma reunião técnica de trabalho entre o Mercado Comum do Sul (Mercosul) e Canadá, com o objetivo de reativar as negociações para um acordo bilateral de comércio. Nessa ocasião, ambas as partes reafirmaram o interesse de avançar com o processo de consulta, que também conta com o apoio do setor empresarial brasileiro. As discussões estavam paralisadas desde 2012 – segundo o governo canadense, devido à oposição de “certos países”, o que sugere uma referência à Venezuela.

 

Conforme afirma o subsecretário da chancelaria argentina para a Integração Econômica Americana e o Mercosul, a reunião permitiu “atualizar o conhecimento das respectivas posições e organizar tarefas para avançar na direção de um acordo comercial”. As partes trocaram informações particularmente nas áreas de comércio de bens e serviços, barreiras não tarifárias, investimentos, compras governamentais e questões ambientais e trabalhistas.

 

De acordo com o comunicado do Ministério de Relações Exteriores da Argentina, durante a reunião acordou-se atualizar, o quanto antes, o documento elaborado durante o diálogo exploratório realizado em 2012. A partir disso, nos próximos meses, as partes buscarão lançar o marco para a negociação de um acordo comercial.

 

Do lado brasileiro, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) ressalta que o setor empresarial defende um acordo e vê oportunidades particularmente para produtos como automóveis, calçados, químicos, alimentos, carne bovina, carne de ave e fumo.

 

Canadá e Mercosul firmaram um Entendimento de cooperação em matéria de comércio e investimentos e um plano de ação em junho de 1998. Em fevereiro de 2005, as partes tiveram discussões preliminares e, em junho e outubro de 2011, reuniões exploratórias foram realizadas. A última reunião exploratória foi realizada em maio de 2012, em Ottawa (Canadá), quando as discussões perderam força.

 

O interesse canadense no possível acordo tem como base as oportunidades na área aeroespacial, infraestrutura, tecnologia da comunicação e tecnologias “limpas”, mineração, petróleo e gás. No entanto, as partes encontram dificuldades em áreas como regulamentação de investimentos, arbitragem de conflitos e compras governamentais.

 

Apesar dessas diferenças, um funcionário canadense afirmou que os diálogos esfriaram apenas após a entrada da Venezuela no bloco sul-americano, em 2012. Em 2013, o então ministro das Relações Exteriores do Canadá apontou que um acordo com o Mercosul era “muito difícil (...) por causa de dois ou três países”.

 

Tanto a aproximação entre Mercosul e Aliança do Pacífico (ver Boletim de Notícias Pontes) quanto a retomada dos trabalhos em favor de um possível acordo com o Canadá são ilustrativas das prioridades atuais do Mercosul. Reunidos em Brasília em dezembro de 2016, os ministros das Relações Exteriores de Brasil e Argentina já haviam reafirmado o interesse em abrir o bloco para negociações com outros parceiros, em um contexto no qual os países-membros optavam por dialogar sobre abertura comercial de modo bilateral (ver Boletim de Notícias Pontes). Naquela reunião, as partes também reafirmaram seu interesse em afastar a Venezuela do bloco.

 

Reportagem Equipe Pontes

 

Fontes consultadas:

 

El Economista. Brasil impele al Mercosul a acuerdos comerciales con Canadá. (31/12/2016). Acesso em: 18/04/2017.

 

Latin American Post. Mercosur and Canada hold talks for a possible trade agreement. (17/04/2017). Acesso em: 18/04/2017.

 

MercoPress. Brazil and Argentina agree to open Mercosur to the world and expand trade horizons. (09/12/2016). Acesso em: 18/04/2017.

2 March 2016
Para tratar das diferentes formas como a solução de controvérsias investidor-Estado tem sido repensada, a autora analisa tanto propostas de reforma do atual regime como alternativas existentes e reflete sobre a construção de um mecanismo completamente novo.
Share: 
2 March 2016
Este artigo analisa em que medida os ACFIs podem se consolidar como uma alternativa ao atual regime internacional de investimento, que seja sensível às particularidades do Brasil e responsivo às aspirações do país como uma economia emergente.
Share: