Mercosul quer acelerar integração com Aliança do Pacífico

11 February 2014

Os membros do Mercado Comum do Sul (Mercosul) querem acelerar o processo de integração comercial com os países que compõem a Aliança do Pacífico (Chile, Colômbia, México e Peru), segundo relatou o chanceler brasileiro Luiz Alberto Figueiredo aos membros da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado Federal. “Temos total interesse em cooperar e comercializar com esses países", explicou Figueiredo aos senadores da Comissão, em audiência realizada em 6 de fevereiro, em Brasília.

Os dois blocos já contam com um acordo de livre comércio que prevê uma lenta e gradual redução tarifária. Segundo o chanceler, o Mercosul já reduziu a maior parte das tarifas pelo menos com a Colômbia e o Peru, mas esses países não fizeram sua parte “no mesmo ritmo”. Figueiredo explicou que os prazos para alívio das tarifas foram estipulados em outra época, mas que as condições atuais deixam claro que esse processo pode ser mais rápido.

Durante a audiência, os senadores questionaram Figueiredo sobre o reduzido número de acordos comerciais fechados pelo Mercosul, apenas um com o Egito e outro com Israel, em comparação com inúmeros tratados assinados pelos membros da Aliança do Pacífico: o México teria acordos comerciais com 44 países, a Colômbia com 30, o Chile com 60 e o Peru, com 50.

O ministro afirmou que é do interesse do bloco a integração com os demais países da região e de outras regiões, como a União Europeia (UE). “Temos conversado com nossos parceiros para deixar claro que o universo Mercosul não é, absolutamente, excludente, nem autorreferente”.

Com relação às negociações de um acordo de livre comércio com a UE, o chanceler informou aos senadores que os representantes de Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai participarão, em 12 e 13 de fevereiro, de uma nova reunião técnica em Caracas (Venezuela) para unificar a oferta de redução tarifária do grupo. A Venezuela é membro do bloco, mas ainda não se juntou às negociações.

“Todos estamos muito comprometidos com esse acordo e avançamos na compatibilização da oferta. É um exercício muito interessante, que está progredindo muito bem para que possamos fazer a troca de ofertas o mais rápido possível", afirmou Figueiredo. “Aí, então, vamos ver quais são os termos da oferta do outro lado, com a esperança de que possamos chegar a um acordo que seja benéfico para o Brasil, para o Mercosul e para os países europeus”.

No entanto, o chanceler se absteve de confirmar se a troca de ofertas ocorrerá de fato em fevereiro. Inicialmente, essa etapa da negociação estava prevista para dezembro de 2013, mas foi adiada para o início deste ano a pedido da UE.  A intenção do Brasil era realizá-la em janeiro, mas isso não foi possível em virtude do adiamento da reunião de Cúpula dos presidentes dos países do Mercosul, agora prevista para este mês, em Caracas.

Reportagem Equipe Pontes

Fontes consultadas:

Exame. Mercosul quer acelerar integração com Aliança do Pacífico. (06/02/2014). Acesso em: 11 fev. 2014.

Itamaraty Online. Transcrição da Audiência Pública com o Ministro de Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo Machado, na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado Federal. (06/02/2014). Acesso em: 11 fev. 2014.

UOL Notícias. Mercosul avança na compatibilização de oferta para a União Europeia. (06/02/2014). Acesso em 11 fev. 2014.

6 February 2014
A divulgação da balança comercial do Brasil de janeiro de 2014 traz dados que preocupam o governo brasileiro. Segundo o Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), as...
Share: 
14 February 2014
Nem só de más notícias vive o comércio exterior brasileiro. Em 2013, o setor de carnes experimentou um crescimento de 6,59% nas vendas a outros mercados, atingindo US$ 16,27 bilhões. Para o futuro,...
Share: