OMC prevê aumento do comércio mundial em novembro e dezembro

10 November 2016

No Encontro Web 2016, realizado em 7 de novembro em Lisboa (Portugal), o diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, ressaltou a importância do livre comércio, apesar do impacto que o comércio possa ter sobre o emprego. No dia seguinte, a OMC divulgou relatório com previsões para o último trimestre de 2016, indicando um aumento em novembro e dezembro do comércio mundial.

 

Segundo Azevêdo, “embora o comércio possa impactar o emprego, devemos reconhecer que as maiores mudanças vêm da produtividade e da inovação; e essas são forças essenciais para o progresso. Portanto, a resposta não é culpar o comércio e criar barreiras. Isso apenas sufoca as chances de milhares de pessoas de se conectar e fazer negócios”. Essas mudanças deveriam ser vistas como oportunidades, o que exige compromisso coletivo e políticas ousadas.

 

As mudanças a que Azevêdo faz referência estão ligadas à tecnologia e à forma como essa tecnologia tem transformado a economia. “Em meio a esse ambiente em transformação, muitas pessoas se sentem deixadas para trás e o comércio é muitas vezes visto como a causa desse mal-estar”.

 

Esse quadro está diretamente relacionado às contestações populares e dificuldades em aprovar a Parceria Transpacífica (TPP, sigla em inglês), bem como em avançar em outras negociações de liberalização comercial. A resistência à globalização por seus efeitos negativos também figurou como um dos elementos centrais na saída do Reino Unido da União Europeia (UE) e na vitória de Donald Trump nas eleições à Presidência dos Estados Unidos.

 

Em parte como uma tentativa de resguardar produtores domésticos dos efeitos da liberalização comercial, o número de medidas restritivas ao comércio aplicadas pelas economias do G-20 tem se mantido elevado. Contudo, houve uma queda na média de tais medidas: de maio a outubro de 2016, foram 17 as novas medidas registradas a cada mês, em contraste com as 21 restrições mensais levantadas de outubro de 2015 a maio de 2016.

 

Segundo o Relatório Indicador de Comércio Mundial (WTOI, sigla em inglês) da OMC, o comércio mundial deverá crescer nos últimos meses de 2016. O WTOI combina vários índices relacionados ao comércio em um único indicador composto, fornecendo informações “em tempo real” das estatísticas de comércio. Um indicador igual ou maior a 100 significa um crescimento acima da tendência e um indicador menor que 100 sinaliza um crescimento abaixo da tendência.

 

A leitura atual do WTOI é de 100,9; em julho, a leitura era de 99,0. Tal diagnóstico está alinhado com as últimas previsões de comércio da OMC, que previram um aumento do volume do comércio mundial de 1,7% em 2016 – concentrado principalmente no segundo semestre.

 

Além de traçar uma tendência geral, o WTOI analisa alguns setores separadamente. No caso das ordens de exportação, o indicador permanece estável, acima da tendência (101,8). O índice de vendas de automóveis (99,6) também foi estabilizado. Já os índices de eletrônicos (100,4), matérias-primas agrícolas (103,1) e frete aéreo aumentaram de forma mais acentuada (103,2), enquanto a taxa de transferência de containers dos principais portos marítimos registou uma melhoria mais modesta (99,3).

 

Fontes consultadas:

 

WTO. DG Azevêdo at the Web Summit: “Trade and Technology Can Help People Access Opportunities”. (07/11/2016). Acesso em: 10/11/2016.

 

______. Trade restrictions among G20 remain high, despite slight slowdown in new measures. (10/11/2016). Acesso em: 10/11/2016.

 

______. World Trade Outlook Indicator suggests modest pick-up in trade during fourth quarter. (08/11/2016). Acesso em: 10/11/2016.

15 June 2016
As funções de governança da OMC podem ser afetadas negativamente pela proliferação de acordos preferenciais de comércio. Caso isso ocorra, a mudança afetará desproporcionalmente os países de menor porte comercial.
Share: 
16 June 2016
No encontro entre ministros da Agricultura do G20, realizado na China em 3 de junho, Blairo Maggi, ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) do Brasil, reuniu-se com suas contrapartes...
Share: