OMC: proposta brasileira sobre câmbio é recebida com desconfiança

1 December 2012


Em antecipação à reunião do Grupo de Trabalho sobre Comércio, Dívida e Finanças (WGTDF, sigla em inglês) da Organização Mundial do Comércio (OMC), realizada em 26 de novembro, a delegação brasileira apresentou aos demais membros um comentário sobre os impactos da variação da taxa de câmbio sobre o comércio internacional. O objetivo do documento era balizar as discussões sobre o papel e os mecanismos da OMC na correção de distorções provocadas por desajustes cambiais, contribuindo para a implementação do programa de trabalho aprovado pelos membros do WGTDF.

O documento conclui que, embora a correlação de taxa de câmbio e fluxos de comércio tenha sido reconhecida tanto pela literatura especializada quanto pelos membros da OMC durante seminário sobre o tema realizado no início de 2012, nenhum dos mecanismos previstos no regime multilateral de comércio é suficiente para que os países afetados por oscilações das taxas de câmbio enfrentem de forma eficaz os efeitos nocivos da desvalorização e flutuação cambial.

"A crescente interdependência dos mercados financeiros, assim como a fluida e ágil circulação dos capitais, são importante pano de fundo para o atual comportamento instável, anômalo e às vezes artificial das taxas de câmbio. Ao contrário de outros foros internacionais, a OMC não está equipada para lidar com as forças e políticas que causam tais oscilações e desalinhamentos. No entanto, a OMC é a “instituição adequada para lidar com seu impacto comercial”, afirmou o Ministério das Relações Exteriores em nota oficial explicativa do comentário enviado ao WGTDF.

De acordo com o documento, a insuficiência de medidas comerciais multilaterais para lidar com a questão cambial desencadeia a necessidade da intervenção unilateral dos membros nas taxas de câmbio e nas políticas comerciais, na tentativa de contornar os impactos decorrentes dos desajustes cambiais. Como consequência, tem-se a intensificação do recurso a salvaguardas, medidas compensatórias e antidumping – cujo uso excessivo pode gerar um risco sistêmico ao provocar o desgaste do sistema multilateral de comércio.

Com tais considerações, a delegação brasileira convidou os demais membros a analisar formas de aperfeiçoamento das regras multilaterais da OMC, a fim de que contenham medidas efetivas de defesa comercial para combater desequilíbrios cambiais. A proposta faz parte do esforço do governo brasileiro de refrear a valorização do real, que se reputa ser desencadeada por desvalorizações monetárias artificiais de seus parceiros comerciais. O Brasil visa, assim, a combater estas últimas práticas a partir da consagração, pela OMC, do direito de recorrer a medidas tarifárias para impedir a entrada de importados e beneficiar a indústria nacional.

O texto foi discutido durante a reunião do WGTDF, realizada em 26 de novembro. A proposta foi categoricamente rejeitada pela China que, com Estados Unidos e Europa, argumentou que o tema cambial é responsabilidade do Fundo Monetário Internacional (FMI), não da OMC. “Seria um equívoco tentar lidar com a temática do câmbio a partir de medidas comerciais; o mesmo que entrar em um campo minado”, afirmou o vice-embaixador chinês Zhu Hong.

Temerosa de que a proposta brasileira implique a criação de novas barreiras ao comércio, além do estabelecimento de um novo fórum para que o governo estadunidense ataque a manipulação da moeda local, Pequim argumenta que a valorização do Real é consequência da atitude irresponsável de Estados Unidos, Europa e Japão de inundar o mercado brasileiro de divisas. "O caminho correto para resolver esse problema é aumentar a coordenação entre países. Portanto, o tema deve ficar restrito ao FMI", defendeu o diplomata chinês.

Reportagem Equipe Pontes

Fontes consultadas:

Agência Brasil. Brasil quer retomar debate sobre câmbio na OMC (05/11/2012). Acesso em 28 nov. 2012.

EFE. China rejeita proposta do Brasil de lidar com desequilíbrios bancários na OMC (26/11/2012). Acesso em 28 nov. 2012.

Estadão. Brasil perde a ‘guerra do câmbio’ na OMC (27/11/2012). Acesso em 28 nov. 2012.

Valor. Brasil retoma debate sobre câmbio na Organização Mundial do Comércio (05/11/2012). Acesso em 28 nov. 2012.

Veja. Brasil propõe na OMC plano contra desequilíbrios cambiais (05/11/2012). Acesso em 28 nov. 2012.

22 July 2014
OMC Para mais informações, clique aqui . 29 de agosto Reunião do Órgão de Solução de Controvérsias Local: Genebra, Suíça OCDE Para mais informações, clique aqui . 31 de agosto a 5 de setembro Semana...
Share: 
25 July 2014
O Grupo de Trabalho (GT) da Organização das Nações Unidas (ONU) encarregado de elaborar uma série de propostas de Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) adotou, em 19 de julho, um documento...
Share: