Segundo relatório anual da OMC, Brasil é um dos membros mais envolvidos em disputas

7 June 2017

A Organização Mundial do Comércio (OMC) lançou, em 31 de maio, a edição de 2017 de seu Relatório Anual. A publicação apresenta uma análise aprofundada sobre as principais atividades da Organização durante o ano de 2016 e começo de 2017. No relatório, o Brasil figura entre os membros que mais trouxeram disputas à OMC.

 

O relatório dá destaque para as ações da OMC em cada uma de suas áreas de atuação: negociações; implementação e monitoramento; solução de controvérsias; suporte ao desenvolvimento e criação de capacidade comercial. Ganha destaque no relatório a aprovação do Acordo de Facilitação do Comércio (TFA, sigla em inglês), que entrou em vigor em 22 de fevereiro de 2017 (ver Boletim de Notícias Pontes), e a emenda ao acordo de propriedade intelectual da OMC.

 

Em 2016, dos 17 pedidos de consultas apresentados à OMC, o Brasil foi responsável por três – contra Estados Unidos, Indonésia e Tailândia (ver Boletim de Notícias Pontes). Levando-se em conta o período de 1995 a 2016, o Brasil aparece como o quarto país que mais trouxe disputas ao Órgão de Solução de Controvérsias, com 30 disputas iniciadas, atrás somente de Estados Unidos, União Europeia (UE) e Canadá. Como respondente, o Brasil aparece em sétimo lugar (16 disputas). Esse número coloca o país atrás da Argentina, por exemplo, que teve que responder a 22 disputas.

 

Tais informações compõem um panorama distinto da participação do Brasil em mecanismos não litigiosos de solução de controvérsias, instrumentos que a indústria nacional considera subutilizados pelo governo brasileiro (ver Boletim de Notícias Pontes).

 

O relatório revisou pontos específicos, ressaltando o ativismo dos países em relação a assuntos considerados chave pelos membros da OMC. No caso do Brasil, o relatório menciona o ativismo brasileiro na discussão sobre acesso a medicamentos; e, em tom de preocupação, ressalta o uso de medidas de defesa comercial no setor de produção de aço por parte do Brasil.

 

Ainda, o relatório especifica os pedidos de informação apresentados pelo governo brasileiro à Organização no que toca aos subsídios do Canadá à Bombardier. A esse respeito, o Brasil apresentou um pedido de consultas à OMC (DS522) em 8 de fevereiro de 2017 (ver Boletim de Notícias Pontes).

 

Sobre a Rodada Doha, o relatório aponta que os grupos de negociação têm continuado o seu trabalho e que os ministros estão empenhados em avançar nas negociações, embora a Declaração Ministerial de Nairobi tenha destacado a ausência de consenso sobre como dar seguimento às tratativas. O relatório ressalta que os membros da OMC consideram improvável que haja progressos em matéria de agricultura até que se avance em outros temas da Rodada.

 

Reportagem Equipe Pontes

22 June 2017
Por que homens nativos brancos com baixo nível de escolaridade são particularmente atraídos pelo discurso do populismo de direita? Buscando atacar essa pergunta, o autor examina como fatores culturais e econômicos interagem ao moldar um status social subjetivo e como este está ligado ao apoio à direita populista.
Share: 
23 June 2017
Brasil e Rússia assinaram, em 21 de junho, o “Protocolo de Cooperação, Informação, Intercâmbio e Assistência Mútua”. O Protocolo agilizará a entrada de produtos brasileiros na Rússia. Os governos dos...
Share: