Visita de Macri a Oriente Médio e Ásia gera convênios para investimento em obras públicas

24 May 2017

Na semana passada, o presidente argentino Mauricio Macri visitou os Emirados Árabes, China e Japão. Macri foi seguido pela chanceler Susana Malcorra e por um grupo de empresários argentinos e voltou ao seu país com a confirmação de US$ 15 bilhões em acordos de cooperação para obras públicas na Argentina.

 

A chanceler Malcorra comentou que a visita de Macri a países asiáticos ilustra a busca de uma “inserção inteligente” da Argentina no mundo para que “em qualquer momento que um sócio ou mercado tenha um problema, haja alternativas para não impactar nossa economia”. Macri também reiterou, durante encontro com o governo japonês, seu interesse em tornar a argentina um “supermercado do mundo”.

 

A missão liderada por Macri começou nos Emirados Árabes. Firmaram-se convênios com fundos de investimento para o jazigo de petróleo de Vaca Muerta, nas províncias de Neuquén, Rio Negro, La Pampa e Mendoza. A busca de investimentos para o referido jazigo também já havia sido um dos pontos de atenção da viagem de Macri aos Estados Unidos em abril (ver Bridges Weekly, v.21, n.15).

 

Com a China, onde a missão permaneceu por quatro dias, foram firmados 21 acordos de cooperação. Entre eles, destaque-se o compromisso para a criação da central nuclear Atucha III, a partir de janeiro de 2018, em plano acordado com a China National Nuclear Corporation (CNNC). Além disso, outros acordos foram assinados na área de energia eólica e hidroelétrica. Criou-se também um plano integrado de cinco anos para a realização de obras públicas.

 

Argentina e China também firmaram o Plano de Ação Estratégico em Matéria de Cooperação Agrícola 2017-2022. Em adição, será instalado um escritório chinês em Buenos Aires para agilizar os controles fitossanitários dos produtos exportados para o porto de Xangai. O presidente argentino também participou do Fórum “Um Cinturão, Uma Rota” (One Belt, One Road) durante sua passagem pelo país.

 

Parte da imprensa argentina critica, entretanto, que um dos propósitos da visita de Macri foi buscar apoio chinês para a concretização da estrada de ferro “Belgrano Cargas”, cujo consórcio havia sido capitaneado por Franco Macri, pai do atual presidente da argentina.

 

No Japão, foram firmados três acordos nas áreas de agricultura e indústria, tecnologia e comunicações e turismo. A Argentina também chegou a entendimentos com o Banco Japonês de Cooperação Comercial e com a Toyota para o aumento em 30% de sua produção na planta de Zárate, província de Buenos Aires. As partes também inauguraram o Fórum Econômico Japão-Argentina.

 

Reportagem Equipe Pontes

 

Fontes consultadas:

 

ArgNotícias. Argentina firmará um acuerdo para incentivar la exportación de alimentos a China. (15/05/2017). Acesso em: 22/05/2017.

 

LaNación. Mauricio Macri regressa de su gira com más de US$15.000 millones em inversiones y revitalizados lazos com China, Japón y Emiratos Árabes. (20/05/2017). Acesso em: 22/05/2017.

 

PanamPost. China lado B: la cara oculta de la visita de Macri al gigante asiático. (17/05/2017). Acesso em: 22/05/2017.

22 June 2017
Por que homens nativos brancos com baixo nível de escolaridade são particularmente atraídos pelo discurso do populismo de direita? Buscando atacar essa pergunta, o autor examina como fatores culturais e econômicos interagem ao moldar um status social subjetivo e como este está ligado ao apoio à direita populista.
Share: 
23 June 2017
Brasil e Rússia assinaram, em 21 de junho, o “Protocolo de Cooperação, Informação, Intercâmbio e Assistência Mútua”. O Protocolo agilizará a entrada de produtos brasileiros na Rússia. Os governos dos...
Share: