COP 12 da CDB discute financiamento para proteção da biodiversidade

17 October 2014

Reunidos na Coreia do Sul entre 6 e 17 de outubro, representantes de 193 países discutiram o presente e o futuro da Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica (CDB). A 12ª Conferência das Partes (COP 12, sigla em inglês) da CDB contou, ainda, com a participação de representantes de organizações não governamentais e da sociedade civil. Organizada em torno do tema "Biodiversidade para o Desenvolvimento Sustentável", a COP 12 foi palco de discussões relativas à implementação do Plano Estratégico de Biodiversidade 2011-2020, documento aprovado em 2010 na cidade japonesa de Nagoia.

 

A importância do Plano Estratégico reside nos 20 objetivos que reúne, conhecidos como Metas de Aichi. Atualmente, o principal desafio dos membros da CDB é transformar as promessas feitas no Japão em políticas concretas. Nesse sentido, a COP 12 dedicou parcela considerável de sua agenda à estruturação de mecanismos de financiamento para a proteção da biodiversidade. Tratou-se de uma ocasião para que distintos atores apresentassem ideias para o tema. A COP 12 foi marcada, ademais, pelo lançamento do documento Global Biodiversity Outlook, dedicado a avaliar o atual padrão de conservação e utilização dos ecossistemas.

 

Em seu discurso de abertura do segmento de alto nível da Conferência, a administradora do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Helen Clark, enfatizou a importância de que a comunidade internacional reconheça os múltiplos benefícios da conservação da biodiversidade. Para tanto, citou as diversas iniciativas lideradas por organismos da Organização das Nações Unidas (ONU) com vistas a instrumentalizar metas para limitar a extinção de espécies e associá-las a objetivos como erradicação da pobreza e segurança alimentar. A neozelandesa também ressaltou o papel central da captação de recursos econômicos para programas de proteção ambiental. Clark defendeu o uso da criatividade para que os Estados e a iniciativa privada aumentem a sua colaboração.

 

A próxima COP será realizada em 2016, no México. Até lá, Estados e o secretário-executivo da CDB, o brasileiro Braulio Ferreira de Souza Dias, terão enorme trabalho para promover avanços nas políticas de conservação da biodiversidade. Afinal, aproxima-se 2020, o prazo final daquilo que a ONU chamou de "Década da Biodiversidade". Não apenas o calendário deve gerar preocupações na comunidade internacional: relatório divulgado recentemente pelo Fundo Mundial para a Natureza (WWF, sigla em inglês) estima que o planeta perdeu metade de sua vida selvagem entre a década de 1970 e a atualidade. Análises cobrindo um período menor tampouco oferecem um panorama alentador: entre 2007 e 2010, a população animal geral caiu quase 60%.

 

Reportagem Equipe Pontes

 

Fontes consultadas:

 

Diplomacia Pública. A Conferência das Partes na Convenção sobre Diversidade Biológica e as Reuniões dos Protocolos de Cartagena e Nagoia. (07/10/2014). Acesso em: 15 out. 2014.

 

El Universal. México será sed de la COP 13 de Biodiversidad en 2016. (16/10/2014). Acesso em: 16 out. 2014.

 

Korea JongAng Daily. Pyeongchang is hosting biodiversity convention. (01/10/2014). Acesso em: 16 out. 2014.

 

ONU Brasil. ONU inicia Década da Biodiversidade. (19/12/2011). Acesso em: 16 out. 2014.

 

Wall Street Journal. El planeta perdió la mitad de su vida selvaje entre 1970 y 2010. (1/10/2014). Acesso em: 16 out. 2014.

14 October 2014
Na última terça-feira (07), a Argentina anunciou a elevação transitória do imposto de importação para 100 produtos de origem extrazona. A medida é respaldada pela decisão do Mercado Comum do Sul (...
Share: 
20 October 2014
Conferência BBEST discutirá avanços em bioenergia Com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), a Conferência Brasileira sobre Ciência e Tecnologia em Bioenergia (BBEST...
Share: