O valor das ideias

12 June 2014

Parcela considerável da vitalidade de qualquer sociedade deriva de sua habilidade em oferecer novas soluções para persistentes problemas. De fato, não fosse nossa imaginação, dificilmente seríamos capazes de estabelecer padrões de convivência tão complexos. Por outro lado, tamanho dinamismo resulta em uma constante rearticulação dos fundamentos para a competição entre distintos grupos humanos. De fato, tanto a apropriação e transformação de recursos naturais quanto o seu intercâmbio obedecem a uma lógica em constante mutação. Em meio a tantas reviravoltas, muitas vezes valores já consolidados são ameaçados, exigindo um constante esforço de readequação institucional.

 

Maior complexidade foi acrescentada a essa realidade com a importância crescente de bens e serviços intangíveis. Em um planeta em que a maioria das ideias têm um valor de mercado, determinadas perguntas são incontornáveis. Quais são os fundamentos econômicos e jurídicos para o estabelecimento de um regime de direitos de propriedade intelectual? Qual é a capacidade do legislador de acompanhar as transformações sociais, adequando as regras às práticas dos indivíduos? De que maneira a heterogeneidade regulatória ao redor do mundo influencia a dispersão do conhecimento? Como conciliar as demandas por desenvolvimento, por um lado, e os anseios por lucros daqueles que chegaram a uma solução inovadora primeiro?

 

Longe de esgotar esse árduo debate, o presente número do Pontes convida você, prezado(a) leitor(a) a refletir sobre as perguntas expostas acima. Afinal, muito daquilo que consumimos é constituído por uma ideia. Entender como o conhecimento é produzido, protegido e transacionado é um requisito indispensável para a compreensão da produção, da proteção e do intercâmbio dos bens e serviços que tornam nossas vidas mais fáceis. Reconhecer os inúmeros dilemas existentes no encaminhamento do tema é fundamental, ademais, para qualquer interpretação sobre por que a vida de alguns humanos é mais fácil que a de outros. Mais especificamente, inexistirá solução para a pobreza crônica em diversas porções do planeta sem uma discussão aprofundada sobre os padrões de difusão e apropriação do conhecimento.

 

Aberto à livre disseminação do conhecimento, o Pontes reafirma o convite a você, prezado(a) leitor(a): caso queira comentar as notícias publicadas no site do Pontes, ou escrever um e-mail, sinta-se à vontade. Comprometida com a preparação de um material capaz de fomentar debates relevantes nas áreas de comércio e desenvolvimento sustentável, nossa equipe acredita que a pluralidade de ideias constitui a base para a construção de qualquer conclusão. Dentro dessa proposta, nossos(as) leitores(as) ocupam um lugar central.

 

Esperamos que aprecie a leitura.

 

A Equipe Pontes

This article is published under
12 June 2014
Este artigo apresenta a trajetória do Marco Civil da Internet até sua promulgação, identificando as principais partes interessadas no debate e os argumentos apresentados na tramitação do referido arcabouço regulatório.
Share: 
14 June 2014
Brasil e Argentina prorrogaram, por um ano (1º de julho de 2014 a 30 de junho de 2015), o Acordo sobre a Política Automotiva Comum e estabeleceram as bases para a discussão de um regime com duração de cinco anos, que deve substituir o Acordo que acaba de ser renovado.
Share: