Wikileaks oferece prêmio por documentos da TTIP

13 August 2015

A Comissão Europeia (CE) evitou reagir ao lançamento de uma campanha destinada à divulgação dos documentos relativos à Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP, sigla em inglês). As negociações entre Estados Unidos e União Europeia (UE) têm recebido críticas pela suposta falta de transparência (ver Pontes vol. 11, no. 1). Mais recentemente, o Wikileaks lançou uma campanha que busca arrecadar € 100 mil, montante que seria oferecido como prêmio a quem disponibilizar os textos em negociação no âmbito da TTIP.

 

Entre os apoiadores da campanha do Wikileaks encontra-se o ex-ministro de Finanças da Grécia, Yanis Varoufakis. Após publicar em seu Twitter críticas à falta de transparência na política comercial da UE, o economista grego recebeu uma dura resposta: o perfil oficial da delegação europeia para a TTIP enfatizou que possui um mandato negociador. Ainda, o grupo argumentou que as discussões têm sido conduzidas de forma o "mais transparente possível". Após afirmar que todos os documentos da TTIP já estão publicados online, o Twitter dos negociadores pergunta como seria possível obter o prêmio estipulado pelo Wikileaks.

 

Ainda existe considerável incerteza sobre parte da opinião pública na Europa. No primeiro semestre de 2015, a imprensa do continente noticiou que a UE, após intensa pressão do governo dos Estados Unidos, teria aceitado flexibilizar sua política para agrotóxicos. A revelação ocorreu pouco após a ouvidora europeia, Emily O'Reilly, defender a necessidade de maior transparência por parte da TTIP. Respondendo aos clamores por mais informações, a CE argumentou que o governo estadunidense havia requisitado que seus documentos fossem mantidos em sigilo. Desde então, porém, o bloco tem buscado publicar um número crescente de documentos de modo a apaziguar os ânimos.

 

Até 12 de agosto, mais de 1.000 indivíduos haviam contribuído para o fundo do Wikileaks. Iniciativa semelhante, voltada à divulgação de documentos relativos à Parceria Transpacífica (TPP, sigla em inglês), já havia sido lançada em junho. Desde então, rascunhos de três dos vinte e nove capítulos do tratado da TPP foram filtrados.

 

Nem todos, entretanto, defendem a "máxima transparência". De ambos os lados do Atlântico, um grupo importante – e influente – defende que certo sigilo é fundamental por razões estratégicas. Tal política, afirmam, permitiria às Partes evitar o ruído causado por leituras apressadas dos documentos. Com isso, acreditam, predominariam os interesses de longo prazo.

 

Reportagem Equipe Pontes

 

Fontes consultadas:

 

Chicago Tribune. The wrong way to make a document public. (11/08/2015). Acesso em: 12 ago. 2015.

 

Político. Wikileaks offers bounty for TTIP texts. (11/08/2015). Acesso em: 12 ago. 2015.

 

The Telegraph. Yanis Varoufakis backs Wikileaks bounty to crack TTIP. (11/08/2015). Acesso em: 12 ago. 2015.

 

Wired. Wikileaks crowdfunding €100,000 reward for TTIP secrets. (12/08/2015). Acesso em: 12 ago. 2015.

11 August 2015
O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) abriu consulta pública a respeito de negociações comerciais com nove parceiros – entre eles, os países da Associação Europeia de...
Share: 
20 August 2015
Os impasses da política doméstica dos membros do Mercado Comum do Sul (Mercosul) começam a afetar as perspectivas de evolução do bloco. Nas eleições primárias realizadas recentemente na Argentina,...
Share: